"As vezes ouço passar o vento, e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido”
(Fernando Pessoa)

19 de julho de 2012

Reutilização de Pneus usados

Vemos todos os dias a divulgação de formas de utilização de materiais inservíveis. Muitas destas utilizações são na prática possíveis, enquanto outras são inviáveis.

Em se tratando de Pneus usados, seu descarte ou utilização pós uso é mais complexa. Puf's, Caixotes de massa para construção civil, contenção de encostas, Recipientes para plantas ornamentais, desintegração para utilização em manta asfáltica são alguns exemplos de reutilizações possíveis.

Nas minhas andanças por nossa Minas Gerais, entre Jacarandira e Cajuru, município de Resende Costa/MG, vi esta maneira bem criativa de reutilização de Pneus usados: uma base para caixa d'água. O interior dos Pneus foi preenchido com concreto e pedras.

E olha que funciona direitinho! 

4 de julho de 2012

VAMOS SER SINCEROS . . .



Afinal quem nunca fez algo assim?

Coloca nome em trabalho que não fez.
Coloca nome de colega que faltou em lista de presença.
Paga para alguém fazer seus trabalhos.
Saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas.
Estaciona nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas.
Suborna ou tenta subornar quando é pego cometendo infração.
Troca voto por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, e até dentadura.
Fala no celular enquanto dirige.
Usa o telefone da empresa onde trabalha para ligar para o celular dos amigos (me dá um toque que eu retorno...) - assim o amigo não gasta nada.
Trafega pela direita nos acostamentos num congestionamento.
Para em filas duplas, triplas, em frente às escolas.
Viola a lei do silêncio.
Dirige após consumir bebida alcoólica.
Fura filas nos bancos, utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas.
Espalha churrasqueira, mesas, nas calçadas.
Pega atestado médico sem estar doente, só para faltar ao trabalho.
Faz "gato" de luz, de água e de tv a cabo.
Registra imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos.
Compra recibo para abater na declaração de renda para pagar menos imposto.
Muda a cor da pele para ingressar na universidade através do sistema de cotas.
Quando viaja a serviço pela empresa, se o almoço custou 10, pede nota fiscal de 20.
Comercializa objetos doados nessas campanhas de catástrofes.
Estaciona em vagas exclusivas para deficientes.
Adultera o velocímetro do carro para vendê-lo como se fosse pouco rodado.
Compra produtos pirata com a plena consciência de que são pirata.
Substitui o catalisador do carro por um que só tem a casca.
Diminui a idade do filho para que este passe por baixo da roleta do ônibus, sem pagar passagem.
Emplaca o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA.
Frequenta os caça-níqueis e faz uma fezinha no jogo de bicho.
Leva das empresas onde trabalha, pequenos objetos, como clipes, envelopes, canetas, lápis... como se isso não fosse roubo.
Comercializa os vales-transporte e vales-refeição que recebe das empresas onde trabalha.
Falsifica tudo, tudo mesmo... só não falsifica aquilo que ainda não foi inventado.
Quando volta do exterior, nunca diz a verdade quando o fiscal aduaneiro pergunta o que traz na bagagem.
Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes não devolve.
 
E queremos que os políticos sejam honestos ???