"As vezes ouço passar o vento, e só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido”
(Fernando Pessoa)

24 de novembro de 2010

De Bike na Pedra Equilibrista

De Bike na Pedra Equilibrista em Morro do Ferro/MG

Manejo da Caatinga é alternativa para produzir lenha e carvão

A lenha e carvão são os principais produtos oriundos da Caatinga, mas a obtenção dessas fontes energéticas está longe de ser sustentável. O desmatamento origina em torno de 80% desses produtos florestais no Nordeste.

Ter lenha e carvão sem impactar a vegetação é possível com o manejo florestal, tema do livro “Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da Caatinga”, que o Serviço Florestal Brasileiro lançou nesta terça-feira (23), em Recife (PE).

A publicação de 367 páginas traz artigos de 28 pesquisadores que mostram a potencialidade de aplicação do manejo para a produção energética, os resultados do uso dessas técnicas sobre a biodiversidade e a possibilidade de conciliar o uso econômico do bioma com a sua conservação.

Existem técnicas sustentáveis de exploração desse recurso florestal que são viáveis tecnicamente, fáceis de serem aplicadas no campo e que já estão normatizadas pelos órgãos ambientais competentes , afirma a engenheira florestal da Unidade Regional Nordeste do Serviço Florestal, Maria Auxiliadora Gariglio, uma das organizadoras do livro.

Baixa participação – As vantagens do manejo, só 6% da matéria-prima para a produção de lenha e carvão vem dessa fonte, um valor ainda baixo para uma região que tem uma alta participação da biomassa – em torno de 30% – na matriz energética.

Segundo o diretor-geral do Serviço Florestal, Antônio Carlos Hummel, a grande presença dos produtos florestais como fonte de energia na região torna fundamental a existência de políticas públicas concretas para o uso dos recursos do bioma.

“O livro dá indicativos reais das possibilidades do manejo, mas é preciso medidas fortes de comando e controle para impedir a competição da lenha manejada com aquela que não é e que é muito forte na região”, afirma Hummel.

De acordo com Maria Auxiliadora Gariglio, o manejo das florestas da Caatinga, se adotado em escala regional poderia contribuir inclusive “para as questões do desmatamento evitado (REDD), para a conservação da biodiversidade de um bioma raro e exclusivamente brasileiro e para a manutenção do homem no campo”.

A adoção de técnicas de uso racional da vegetação é mais urgente principalmente nas cercanias de grandes centros industriais, como a Chapada do Araripe que tem o maior pólo gesseiro da América Latina e os diversos pólos cerâmicos como Açu e Seridó (RN), Russas (CE), Cariri Paraibano (PB). “A divulgação e a prática do manejo deveria ser intensificada nesses lugares, já que essas regiões estão mais pressionadas pelo consumo”, diz Maria Auxiliadora.

Biodiversidade – A pesquisadora tem a expectativa de que a difusão de informações sobre o manejo com base científica dê mais subsídios para que a técnica seja ampliada e dirima as dúvidas sobre a viabilidade e a influência ambiental da sua aplicação.

“Os resultados desses estudos mostram que o manejo como um sistema fechado tem um impacto praticamente nulo na biodiversidade e na conservação dos solos e que o impacto observado imediatamente após o corte é minimizado ao longo dos anos”, completa.

O estudo dos grupos de fauna mostra inclusive que a biodiversidade encontrada na área do plano de manejo é bastante parecida com aquela de algumas Unidades de Conservação situadas em regiões próximas.

Os organizadores da publicação, que inclui outros três pesquisadores, esperam que os caminhos apontados no livro para pesquisa, extensão e políticas públicas sejam trilhados pelos diferentes atores ligados ao manejo. “Só assim os recursos florestais poderão continuar contribuindo, em todo o seu potencial, com o desenvolvimento econômico e social da região Nordeste”, diz a obra.

Fonte: Ministério do Meio Ambiente

7 de novembro de 2010

O HOMEM QUE CULTIVAVA ÁGUA


     Brad Lancaster, viajando pelo sul da África no verão de 1995, ouviu falar de um homem que cultivava a Água. No lugarejo de Zvishavane, no Sul do Zimbabwe, após uma longa e lenta viagem de ônibus, ela encontrou Sr. Zephania Phiri Maseko, o cultivador de água.
     Um homem simples, alegre, que contou-lhe a sua história: por se opor ao governo branco em 1964, Sr. Phiri - como ficou conhecido - foi demitido e ameaçado: "Jamais terás emprego algum novamente". Ele, com uma família de 8 para sustentar, voltou-se então para sua propriedade de 3 hectares. Ali, contudo, não dispunha de água. Observando com atenção a Natureza ao seu redor e o ciclo das águas, ao longo de 30 anos Phiri criou um sistema sustentável que preenche todas as suas necessidades em água, só com a chuva.
     “Tem que começar a captação no alto, e sarar as voçorocas jovens antes das velhas e profundas rio abaixo,” diz. Com um engenhoso conjunto de muros de pedra, ele consegue 'amansar' o ritmo das águas das chuvas, colina abaixo, criando espaços de contenção, por onde elas fluem lentamente.
     Desta forma, a água chega em reservatórios permeáveis, construídos à mão por Phiri e suas duas esposas. “O solo,” explica, “é como uma lata. A lata precisa segurar toda a água. Vossorocas e erosão são como buracos na lata que permitem que a água e a matéria orgânica escapem. Estes precisam ser tapados.”
Brad esclarece que o governo colocou valas de escoamento na região toda muitos anos atrás, mas feitas fora das linhas de contorno. Suas lâminas visavam acabar com a erosão, levando a água das tempestades para um dreno central. O problema de erosão resolveu-se, mas as terras acabaram sendo roubadas da sua água.
     Ao contrário, Sr. Phiri cavou grandes “covas de fruição” de 10x6x4 pés no fundo de todas as suas valas. Quando chove, a água enche a primeira cova e o excedente enche o seguinte, continuando assim até os limites da propriedade. Muito depois do fim da chuva, a água continua nas covas, infiltrando no solo.
     Em volta das covas capins grosseiros são cultivados para controle de erosão, para cobertura das casas, e venda. Muitas árvores frutíferas vigorosas foram plantadas por Sr. Phiri ao longo dessas valas para fornecer alimentos, sombra, e quebra-ventos. São alimentadas estritamente pelas chuvas e o lençol freático, que vai se aproximando da superfície.
     Como, Phiri explica: “Cavo valas e covas de fruição para 'plantar' a água para que possa germinar em outro lugar. Ensinei o meu sistema às árvores”. Continua: “Elas o entendem e à minha linguagem. Coloco-as aqui e digo ‘Olha, a água está aqui. Vão à procura.” Nenhuma bacia nem divisória para segurar ou negar a água é colocada em volta delas; as raízes são encorajadas a se esticar e encontrar a água.
     Uma mistura diversa de culturas não híbridas como abóbora, milho, pimenta, beringela, taboa para cestas, tomate, alface, espinafre, ervilha, alho, feijão, maracujá, manga, goiaba, e mamão, juntamente com árvores nativas como matobve, muchakata, munyii, e mutamba são plantadas entre as valas.
     Esta diversidade garante a saúde de todo o ambiente e traz segurança para a família, que se sente cuidando de seu próprio Jardim do Éden, como descreve a Bíblia no texto que inspirou toda a ação de Phiri.
     Mais um exemplo de que com atenção e observação é possível entrar em harmonia com a Natureza e ter uma boa vida que 'lutar contra ela' não garante.

Quem quiser pode ler a íntegra do relato aqui